Pular para o conteúdo principal

O livro de Jó - parte 3

Os Amigos de Jó Debatem com Ele


Lição 1: O primeiro discurso de Elifaz (4:1 - 7:21)

I. Elifaz afirma que o sofrimento é por causa do pecado (4:1-21)

A. Ele começa lembrando Jó de seu conselho a outros que estavam perturbados ou sofrendo e o encoraja a seguir seu próprio ensino. Pode ser que Elifaz esteja usando sarcasmo nos versículos 5 e 6 (vs. 1-6).

B. O inocente e o reto não perecem (vs. 7-10).

1. O homem colhe o que semeia.

2. Os homens perversos são assemelhados a um covil de leões. Apesar de sua ferocidade, eles serão consumidos pelo sopro de Deus.

C. Elifaz relata uma visão que alega ter tido (vs. 11-21).

1. Ele fala de um espírito que lhe apareceu, causando grande temor de sua parte (vs. 12-16).

2. A mensagem da visão foi que o sofrimento por causa do pecado pessoal é inevitável, porque não há homem justo ou puro diante de Deus. Desde que todos pecam, todos têm que sofrer (v. 7).

3. Observe a semelhança de pensamento e linguagem em 15:14-16 e 25:4-6.

4. A tendência dos humanos para o erro e a fragilidade de suas vidas são ressaltadas (vs. 18-21).

II. Elifaz encoraja Jó a "buscar a Deus" (5:1-27)

A. Ele adverte Jó do perigo da ira contra os caminhos de Deus (vs. 1-7).

1. Elifaz relata o destino de um louco que ele tinha observado.

2. Ainda que nenhuma aplicação formal seja feita por esse tempo, parece que Elifaz pode estar dando a entender uma similaridade entre Jó e esse "louco" de quem ele fala.

B. Elifaz diz que buscaria a Deus se estivesse no lugar de Jó (vs. 8-16).

1. Nestes versículos Elifaz se refere à boa providência de Deus; ele ajuda o oprimido e repele os que poderiam fazer mal.

2. Elifaz ressalta que o homem perverso não prosperará, porque Deus frustrará seus planos.

C. Elifaz conclui seu primeiro discurso admoestando Jó: "não desprezes, pois, a disciplina do Todo-Poderoso" (vs. 17-27).

1. Ele afirma que Deus livrará de toda a forma de mal aquele que humildemente se submete a sua correção (vs. 18-22).

2. Aceitando humildemente a disciplina de Deus, ele prosperaria em todos os aspectos (vs. 23-27).

III. Jó responde ao discurso de Elifaz (6:1-30)

A. Jó reconhece que suas palavras (capítulo 3) têm sido imprudentes, mas sugere que tal imprudência é compreensível em vista de seu grande sofrimento (vs. 1-7).

1. Jó está sugerindo, no versículo 5, que, assim como os animais fazem barulho quando têm um motivo, assim ele tem razão em expressar sua aflição.

2. O assunto dos versículos 6-7 pode ser tanto o sofrimento de Jó como as palavras de "conforto" oferecidas por Elifaz.

B. Jó deseja que Deus lhe conceda sua petição: permitir-lhe morrer. Ele exprime dúvida que possa resistir. Sua força não é infalível (vs. 8-13).

C. Ele critica seus amigos por acusarem-no de má ação em vez de mostrarem-lhe simpatia (vs. 14-23).

1. Ele os assemelha a um ribeiro intermitente. Na estação chuvosa, quando a água é farta, ele está cheio; mas uma vez que o calor começa e os viajantes buscam sua água, ele está seco. De modo semelhante, quando Jó necessitava da compaixão de seus amigos, e a esperava, eles se mostraram serem fontes que tinham secado (vs. 14-21).

2. Ele se queixa de que não estava pedindo muito a eles (vs. 22-23).

D. Jó desafia seus amigos a apontarem seu pecado que era o suposto responsável por seu grande sofrimento (vs. 24-30).

1. Ele assevera que eles não têm evidência para suas palavras cruéis.

2. Ele afirma que não está mentindo sobre sua inocência e nem é incapaz de reconhecer a iniquidade.

IV. Jó brada em desespero (7:1-21)

A. Há alguma dúvida se o capítulo inteiro é dirigido a Deus ou se os primeiros versículos 1-10 são ditos para proveito dos amigos e o restante do capítulo é dirigido a Deus.

B. Ele descreve a grandeza e a desesperança de seu sofrimento e sua angústia (vs. 1-10).

1. Sua vida é de dura servidão, com a única paga sendo meses de desilusão e noites cansativas.

2. Ele é incapaz de dormir e conta a tortura de sua doença.

3. Ele menciona o fato de sua vida ser breve, como se dissesse que Deus deveria mostrar-lhe misericórdia no pouco tempo que lhe resta.

C. Jó interroga Deus quanto à razão da severidade de seu sofrimento (vs. 11-21).

1. Ele pergunta porque é necessário a Deus atormentá-lo constantemente com o sofrimento (como parece a ele).

2. Ele roga a Deus que o deixe em paz (vs. 16).

3. Jó afirma, por perguntas, que o homem é muito insignificante para receber tão contínua atenção de Deus (vs. 17-19).

4. Como ele fez com seus amigos, Jó desafia Deus a identificar seu pecado. Se, na verdade, ele tem pecado, ele pergunta porque Deus não deseja perdoar. As palavras de Jó são ousadas e desesperadas e ele fala sem entendimento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONSEQUÊNCIAS DO PECADO NA VIDA DO HOMEM DE DEUS

CONSEQUENCIA DO PECADO!?

O PECADO TRÁZ CONSEQUENCIAS INIMAGINÁVEIS, MESMO QUE O PECADOR VENHA A ARREPENDER-SE.
TODO ERRO TERÁ A SUA PENA, O SEU PREÇO, MESMO QUE HAJA ARREPENDIMENTO.

TOMEI COMO EXEMPLO BIBLICO, PARA EXPOR ESTA ANÁLISE BIBLICA A VIDA DE DAVI.
UM MENINO QUE DURANTE SUA JUVENTUDE DEDICOU-SE EM SIMPLICIDADE DE VIDA A LOUVAR AO SENHOR DEUS DE ISRAEL COM A SUA HARPA.
MAS QUE JÁ EM FASE ADULTA, COMO REI DE ISRAEL COMEÇOU A DESENCADEAR ALGUNS ERROS, OU, DIGA-SE DE PASSAGEM, PECADOS QUE AOS OLHOS DO HOMEM PARECIAM NÃO TER GRANDE IMPORTÂNCIA, MAS COMO VEREMOS TIVERAM GRANDE INFLUÊNCIA NÃO SOMENTE NO MEIO FAMILIAR, MAS TAMBÉM NO REINADO DE DAVI..
MESMO QUE, DEUS DISSE, SER DAVI O HOMEM SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS.
MAS ISTO TUDO ACONTECE PARA QUE HOMEM ALGUM POSSA SE SENTIR IMUNE AO PECADO, SENDO UM SERVO DO SENHOR. TODO HOMEM PECA, MAS O ARREPENDIMENTO SINCERO TRÁZ NOVAMENTE A CONVIVÊNCIA E A COMUNHÃO COM DEUS. PORÉM DEVEMOS SABER QUE QUALQUER PECADO COMETIDO, MESMO HAVENDO ARREPEN…

Sobre o uso do véu

Quando Paulo apóstolo escreveu a carta aos Corintios, não lhes escreveu por mero capricho, mas para dar-lhes ensinamentos com os quais todos podiam achegar-se mais próximo do Senhor. No cap. 11 - ICoríntios, podemos ler no primeiro versículo. -SEDE MEUS IMITADORES, COMO TAMBÉM EU DE CRISTO. Se Paulo queria que o povo o imitassem, é claro que ele mesmo cumpria exatamente aquilo que ensinava. E o povo com toda certeza aceitava de bom grado os seus ensinamentos como podemos comprovar logo em seguida no versículo 2. -E LOUVO-VOS IRMÃOS, PORQUE EM TUDO VOS LEMBRAIS DE MIM, E RETENDES OS PRECEITOS COMO VO-LOS ENTREGUEI. Vamos analisar aqui esta frase que Paulo escreveu aos Coríntios. Paulo louvava aos seus irmãos de Corinto, pois eles lembravam de Paulo em tudo. Quando se diz tudo isto significa que nada fica de fora. E os corintios retinham os preceitos. Traduzindo estas palavras em seus sinônimos temos: RETER: verbo- ter ou manter firme, segurar com firmeza- Guardar em seu poder( o que…

Lucia Menna

Em 1907, esta irmã estava juntamente com luiggi Francescon, e um grupo de irmãos italianos, na missão da rua Azuza, onde recebeu o batismo do Espírito Santo, juntamente com outras irmãs daquele grupo, sendo elas, Rosina Balzano, e Dora Di Cicco. Lucia Menna, acompanhou os irmãos Luis Francescon e G. Lombardi, na viagem para a Argentina. Sua parentela, pertencente a familia MICHELANGELO MENNA, obedeceu a palavra do Senhor, ao todo 6 almas, no lugar denominado San Cagetano, em 28/11/1909. Atravéz desta familia, surgiu uma grande igreja naquele lugar, até hoje existente, com o nome que iniciou desde o princípio- ASSAMBLÉA CRISTIANA, apesar que o histórico da Atual Assemblea Cristiana, data de novembro de 1916, tempo em que foi legalmente fundada. Uma semente plantada em 1909, que prosperou e cresceu rapidamente.